Publicações

Como funciona ABA ao autismo?

Aqui no CEI, usamos a Análise do Comportamento Aplicada (ABA) como base das nossas intervenções.

A Análise do Comportamento é uma ciência que se interessa pelo estudo das variáveis que afetam os comportamentos. A aplicação dos princípios dessa ciência para a resolução de demandas socialmente relevantes é chamada de Análise do Comportamento Aplicada (ABA) e não ocorre exclusivamente na área do autismo, mas em âmbitos diversos, como na clínica psicológica, na educação, na economia, no desempenho esportivo, entre outros. Tipicamente é feita uma análise da função dos comportamentos que são relevantes e das condições de ensino, em termos de arranjos ambientais e de variáveis motivacionais (consequências reforçadoras) para promover o desenvolvimento desses comportamentos (se ausentes) e seu fortalecimento, se eles ainda ocorrem de maneira incipiente. Apesar da aplicação da Análise do Comportamento ocorrer em áreas diversas, observa-se um crescimento mais expressivo desse tipo de intervenção na área do autismo, especialmente no formato de Intervenção Comportamental Intensiva, conhecido no Brasil com Terapia ABA.

Intervenções Comportamentais Intensivas (Terapia ABA) têm demonstrado efeitos significativos no desenvolvimento de pessoas com autismo desde a década de 1980. Esse tipo de intervenção é caracterizada pela estimulação predominantemente individualizada (um educador para uma criança com autismo), realizada por muitas horas semanais (de 15 a 40 horas), por pelo menos dois anos consecutivos, que abrange várias áreas do desenvolvimento simultaneamente e que é fundamentada em princípios de Análise do Comportamento, definida como Análise do Comportamento Aplicada.

O primeiro estudo sobre Intervenção Comportamental Intensiva aplicada ao tratamento do autismo foi publicado em 1987 (Lovaas, 1987) e após essa publicação dezenas de estudos posteriores replicaram os resultados do estudo inicial, utilizando educadores diferentes (estudantes, profissionais e familiares) e contextos múltiplos (instituições especializadas, escolas e a residência das crianças), e indicaram, no geral, melhora no desenvolvimento das crianças com autismo após realizarem esse tipo de intervenção.

No Brasil, três estudos científicos descreveram os efeitos do modelo do CEI de Intervenção Comportamental Intensiva, aplicado ao tratamento de crianças brasileiras com autismo. No primeiro estudo, Gomes, de Souza, Silveira e Oliveira (2017) avaliaram os efeitos do primeiro ano de Intervenção Comportamental Intensiva no desenvolvimento de 9 crianças com autismo, com idades entre 1 ano e 3 meses e 2 anos e 11 meses, atendidas por um centro brasileiro especializado. A intervenção, conduzida por aproximadamente 15 horas semanais, foi realizada na residência dos participantes por meio da capacitação dos cuidadores. As crianças foram avaliadas no início e ao término da intervenção. Os dados foram analisados individualmente e os resultados indicaram ganhos no desenvolvimento de todas as crianças. No segundo estudo Gomes e colaboradores (2019), utilizando um delineamento do grupo, avaliaram os efeitos desse tipo de intervenção, realizada por meio da capacitação de cuidadores, no desenvolvimento de crianças com autismo e compararam as crianças que realizaram a intervenção com crianças que não realizaram. Os resultados indicaram ganhos significativos em todas as áreas do desenvolvimento das crianças com autismo que passaram pela intervenção intensiva, enquanto as crianças do outro grupo apresentaram ganhos menos expressivos. No terceiro trabalho Andalécio e colaboradores (2019) apresentaram um estudo de caso único com uma criança com autismo gravemente comprometida e não falante. A intervenção ocorreu por 40 horas semanais em ambiente domiciliar e escolar, por meio da capacitação dos cuidadores, ao longo de cinco anos consecutivos. Instrumentos padronizados foram utilizados para medir o desenvolvimento da criança. Os resultados gerais indicaram ganhos no desenvolvimento da criança e a viabilidade da capacitação dos cuidadores para esse tipo de intervenção.

 

Você pode conferir esses estudos nos links abaixo ou no nosso site!

Intervenção Comportamental Precoce e Intensiva com Crianças com Autismo por Meio da Capacitação de Cuidadores

Effects of 5 Years of Intensive Behavioral Intervention on the Development of a Child with Autism

Efeitos de Intervenção Comportamental Intensiva Realizada por Meio da Capacitação de Cuidadores de Crianças com Autismo